livros

Padrão

Autoria

  • VIGNA, Carolina; RABELLO, Leila. Ex libris: George Rembrandt Gütlich. São Paulo: Belas Artes, 2014. ISBN 978-85-87985-48-4.
  • Godô planta. São Paulo: Amarilys, 2013. ISBN 978-85-204-3695-7
  • Godô joga capoeira. São Paulo: Amarilys, 2013. ISBN 978-85-204-3695-0
  • Godô cozinha. São Paulo: Amarilys, 2013. ISBN 978-85-204-3694-3
  • Isabel. São Paulo: Cortez, 2011. ISBN 978-85-249-1841-4 (selecionado para o Livros na Sala de Aula do Estado de São Paulo).
  • Godô dança. São Paulo: Manole, 2009. ISBN 978-85-204-3103-0 (selecionado para o PNLD 2013 Obras Complementares).

 Ilustração

  • FERREIRA, Hugo Monteiro. Nirtus. São Paulo: Cortez, 2015.
  • NOVELLO, Eric. Exorcismos, amores e uma dose de blues. São Paulo: Gutenberg, 2014.
  • LUNA, Rosimere. O comedor de palavras. Rio de Janeiro: Biancovilli, 2013. (ebook)
  • ABRAHÃO, Ademir. O peixinho no aquário. São Paulo: Acerola, 2013. 
  • Godô planta. São Paulo: Amarilys, 2013.
  • Godô joga capoeira. São Paulo: Amarilys, 2013.
  • Godô cozinha. São Paulo: Amarilys, 2013.
  • Isabel. São Paulo: Cortez, 2011.
  • CARDOZO, Magnus. O menino divertido. Bahia: Frama, 2010. 
  • Godô dança. São Paulo: Manole, 2009.
  • GOMES, Maria Claudia Baggio. Fragmentos de vida. Rio de Janeiro: Cristal Comunicação, 1997. 
  • MORAIS, Maria do Carmo Direnna. Atman. Rio de Janeiro: Cristal Comunicação, 1997.
  • NEIVA, Celina Cardoso. O jardim de Ila. Rio de Janeiro: Cristal Comunicação, 1997.
  • SCHLESINGER, Flora. O cavalinho de cristal. Rio de Janeiro: Cristal Comunicação, 1997.
  • MARTIN, Valerie. A marca do felino. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.
  • LICHTENSTEIN, Kobi. Krav-Magá: Sua Defesa Pessoal Contra a Violência Urbana. Rio de Janeiro: Xenon, 1994. 
  • BOIA, Edson. Coleção de Biologia para o 2º grau. Ilustrações dos 15 volumes da coleção, Colégio Santo Agostinho, 1990.
  • TAMAS, Jose Mario. Vicente. Rio de Janeiro: Tamas Edições, 1990. 
  • VELUDO, Pedro. A Estrela Mais Brilhante. Rio de Janeiro: Rio Fundo Ed., 1990. 

 

Projeto gráfico

  • FERREIRA, Hugo Monteiro. Nirtus. São Paulo: Cortez, 2015.
  • VIGNA, Carolina; RABELLO, Leila. Ex libris: George Rembrandt Gütlich. São Paulo: Belas Artes, 2014.
  • Godô planta. São Paulo: Amarilys, 2013.
  • Godô joga capoeira. São Paulo: Amarilys, 2013.
  • Godô cozinha. São Paulo: Amarilys, 2013.
  • Isabel. São Paulo: Cortez, 2011.
  • Projeto gráfico e arquitetura de informação do multimídia Missão de pesquisas folclóricas: cadernetas de campo e do livreto que o acompanha (isbn dvd: 978-85-99954-07-2 / livreto: 978-85-99954-06-5), sobre a missão do Mário de Andrade (1938), para o Centro Cultural São Paulo, 2010.
  • Godô dança. São Paulo: Manole, 2009.
  • QUEIRÓS, Bartolomeu Campos de. Sem palmeira ou sabiá. Ilustrações de Elvira Vigna. São Paulo: Peirópolis, 2006. (recebeu a menção Altamente Recomendável da FNLIJ e foi selecionado para o catálogo da feira internacional do livro infantil de Bolonha de 2006).

 

ilustração

Padrão

Portfolio – Ilustração

Ilustro desde muito tempo. Minha primeira ilustração publicada foi em 1986 e eu nunca mais parei. Não coloco tudo que faço aqui e de vez em quando apago coisas mais antigas.

Eu ilustro semanalmente para o Vida Breve link externo.

 

Livros ilustrados

 

Ilustrações para o Jornal Rascunho

Ilustrações para a Revista Wide

 

Outros clientes / projetos

 

Ilustrações

(antes da diagramação / publicação)

 

 

 

portfolio

Padrão

Não coloco tudo que faço no portfolio e de vez em quando apago trabalhos que não me representam mais, ou por serem muito antigos, ou por eu ter mudado a forma de fazer aquilo, ou simplesmente porque não aguento mais olhar para eles.

Está faltando também terminar de colocar os artigos aqui. É muita coisa, eu trabalho desde muito novinha, conto com a sua paciência.

Tenho também um tumblr link externo com portfolio.

Pintura digital com artweaver

Padrão

Talvez uma das coisas que os artistas mais gostem nos programas digitais de pintura seja o undo. Quando a gente está lá com um pincel real na mão e fazemos besteira o ctrl-z faz uma enorme falta.

A pintura digital é uma técnica como qualquer outra (óleo, aquarela, digital, etc). É bastante claro, creio, para todos que cada técnica tem sua aplicação mas o que talvez não seja tão óbvio é que algumas se prestam melhor à experimentação do que outras. E aí, quando falamos de experimentação, poucas ganham da digital.

O sketch (rascunho) nos ajuda a formular o pensamento, nos ensina a olhar e pensar grafica/visualmente. A pintura digital, além de um ótimo instrumento de sketch, é também uma ótima oportunidade de experimentação técnica. A possibilidade de testar a sua ideia em aquarela, óleo, carvão, etc., antes de finalizá-la (não importa se digitalmente ou não) é valiosíssima, tanto em termos de produtividade quanto de raciocínio e aprendizado. Depois você pode escolher finalizar a sua obra no mesmo programa de pintura digital ou, depois de “resolvida”, levá-la ao mundo analógico.

Isso sem esquecer, claro, das já conhecidas vantagens de velocidade e limpeza: não precisamos esperar a tinta a óleo secar e o ambiente não fica fedendo a aguarrás por dias a fio. É importante ressaltar, entretanto, que o seu trabalho vai se enriquecer muito se você conhecer o material com que está trabalhando. Os melhores resultados serão extraídos destas ferramentas digitais justamente por quem conhece o material real, físico.

Existem muitos programas de pintura digital. O mais conhecido é o Corel Painter® mas a minha coluna aqui no portal da Webdesign sempre mostrará soluções gratuitas. Destas, a que mais gosto é o Artweaver, um programa gratuito de pintura alemão. Existem vários outros também muito bons, como o ArtRage e até mesmo o Gimp que, apesar de ser mais de edição do que de pintura, também se presta a esta atividade. O ArtRage é muito similar ao Artweaver e do Gimp tratarei em futuros artigos.

O Artweaver também possui algumas ferramentas básicas de edição mas o seu foco principal é, sem dúvida alguma, a pintura digital. Ele fornece algumas funções básicas de manipulação de camadas (layers) similares a concorrentes comerciais, tais como: efeitos de camadas como drop shadow, transparência e todas as formas de sobreposição normalmente oferecidas (normal, darken, multiply, lighten, screen, difference, exclusion, color burn, linear burn, color dodge, hard light, soft light, color, hue, saturation, luminosity e average). O Artweaver tem também histórico, ajustes como o prático auto levels e toda uma variedade de funções básicas que você espera de um software minimamente eficaz. Não irei aqui listar todas mas é importante você saber que a maioria das funções mais comuns está presente.

Assim como muitas outras soluções gratuitas, o Artweaver também tem problemas com CMYK. E, ao contrário do Gimp, ainda não existe sequer um plugin para melhorar isso. A partir da versão 0.5.7, incluíram a paleta CMYK no seletor de cores mas não tenho certeza se podemos considerar isto um sinal de que irão implementar suporte a CMYK. Da parte de arquivos ele é bem versátil e não apenas abre .psd como também salva para este – e vários outros – formatos, inclusive pdf.

Aproveitando que este artigo é para a Webdesign online, vou fazer uso de vídeo, algo impossível na revista impressa. É importante ressaltar que o vídeo se propõe a ser uma demonstração do programa e não de arte, técnica ou estética. Então, veja o programa em ação:

Deixei o melhor para o final. Sabe aquela sua coleção de brushes fantásticas que você levou anos selecionando? O Artweaver importa .abr.

importando brushes importando brushes importando brushes importando brushes importando brushes importando brushes importando brushes

E então, o que você está esperando? Download e mãos ao tablet!

 

 

VIGNA-MARÚ, Carolina. Pintura digital com artweaver. Revista Wide Online, 15 set. 2010.