Toda nudez (digital) será castigada

Padrão

foto da revista capa

A ideia de divindade associada à amamentação vem de longe e está presente em praticamente todas as culturas. Segundo a mitologia grega, a Via Láctea foi formada com um esguicho de leite materno de Juno. Ísis amamentou Hórus, Dewaki a Krishna, Virgem Maria a Jesus.

Essa profusão de leite materno sagrado para todo canto enjoa até o mais beato dos mortais. Alberto Manguel, em seu brilhante Lendo imagens, faz uma citação hilária de João Calvino: “Não há cidade pequena demais, nem convento […] demasiado exíguo que não ponha à mostra um pouco de leite da Virgem […]. A quantidade é tão grande que, se a Virgem Sagrada tivesse sido uma vaca […], haveria de ter passado a vida inteira em árdua labuta para conseguir produzir uma quantidade tão vasta”.

Literalmente durante milênios houve uma divisão bastante clara entre os sexos. O homem pertencia ao mundo público e a mulher ao mundo privado. Ainda temos resquícios disso no idioma: o homem público é político e a mulher pública é prostituta. Sem muita diferença, certamente dirão as línguas mais afiadas, mas ao falar mal dos políticos dão mais um claro exemplo de que a mulher pública não é respeitada. Bem resumiu Rita Lee em Pagu: “Mexo, remexo na inquisição / Só quem já morreu na fogueira / Sabe o que é ser carvão”.

Então, voltando, como a mulher pertencia ao mundo privado era considerado um absurdo representá-la nua. No entanto temos nudez feminina desde que o mundo é mundo. O pulo do gato era que as mulheres representadas nuas não eram reais, eram divindades, figuras mitológicas. Então, uma Vênus nua tudo bem, porque não era uma “mulher de verdade”. Esta mentalidade perdurou durante muito, muito tempo. Mais ou menos da Grécia Antiga até o Impressionismo. Estamos falando de algo na ordem de grandeza de 5 mil anos.

A nudez masculina, entretanto, era considerada normal e homens comuns eram representados nus. Provando que o proibido é sempre mais interessante, infelizmente a nudez masculina não é tão popular quanto a feminina.

A grande virada nesta mentalidade de que a mulher é restrita ao mundo privado tem data e nome conhecidos. Foi em 1863, na França. O grande evento no mundo das artes era o Salon de Paris, que acontecia bienalmente desde 1725. Era muito importante, concorrido e difícil de entrar. Édouard Manet (1832-1883) foi um dos que não conseguiu ser aprovado pelos acadêmicos curadores. Montaram, então, o Salão dos Recusados (Salon des Refusés). Manet expôs o seu recusado Le déjeuner sur l’herbe (1862). Foi um choque. Damas empurravam seus maridos para longe do quadro. Senhoritas enrubesciam à sua frente. O grande alvoroço foi porque Manet pintou uma mulher nua sem uma literatura que a justificasse. Ou seja, a mulher não é uma divindade, não é um ser mitológico. É uma mulher real que, como se não bastasse, ainda olha para o espectador como se estar ali almoçando nua na relva fosse a coisa mais natural do mundo. E, para piorar, os homens estão completamente vestidos. Acho que se Manet tivesse pintado o Papa em uma cena pagã não teria causado tanto furor. Naquele momento rompia-se uma mentalidade de alguns milhares de anos. Não é pouca coisa.

MANET, Édouard

MANET, Édouard. Le déjeuner sur l’herbe, 1863. Óleo sobre tela, 208 x 264.5 cm. Musée d’Orsay, Paris.

Existia ainda um agravante a tudo isso. O repertório das pessoas na época era os grandes mestres. Manet faz uma referência clara – era claríssima na época – ao Julgamento de Paris (1515), de Raphael (1483-1520) e ao Fiesta campestre (1510), de Ticiano (1473/1490-1576). As pessoas que visitavam os salões reconheciam estas referências com a mesma facilidade que você reconhece um endereço de email. Não precisava ser um estudante de artes. Leigos efetivamente sabiam essas coisas. Então, a afronta de Manet era múltipla: uma mulher real nua, em uma composição que remetia aos grandes mestres, sem qualquer tipo de justificativa literária, cercada por homens vestidos em uma ação trivial e cotidiana. Para a mentalidade da época era um grande choque.

Não pense você que esta é uma questão antiga. Em 2008 o Facebook censurou fotos e pinturas de mães amamentando, alegando que eram obscenas e removeu várias fotos de usuários. Teve protesto, é claro. Na época foi criada uma petição online intitulada “Hey Facebook, breastfeeding is not obscene!” que não conseguiu reverter a decisão do site. Esta censura causou bastante surpresa em muitas pessoas porque a mãe que amamenta é, ainda hoje, quase que santificada e não pode, portanto, ser compreendida como erótica ou sexual. Os defensores da censura alegam que a amamentação é um ato íntimo e particular e que pertence, portanto, ao mundo privado. Ou seja, mais de um século se passou desde que Victorine Meurent posou para Manet e ainda temos conflito nesta área.

Sob o risco de parecer um pouco mais xiita do que eu gostaria, afirmo que o conflito vai além. É um conflito de (in)compreensão do feminino. Juliana Cunha, em um dos blogs que eu mais gosto de ler, o Já matei por menos, em seu post Conclusão é para os fracos, pergunta: “Primeiro eu leio que as mulheres são apenas 5% dos presidentes de empresas, depois leio que são maioria entre os ricos. Oi? O que a gente faz? Trafica?”. Aproveito para fazer coro à Juliana e perguntar o que a sua empresa está fazendo para atender ao público feminino. Acredite, site com florszinhas ou tons pastéis não é o que precisamos.

 

Toda nudez (digital) será castigada. Revista Web Design, Rio de Janeiro, 01 maio 2010.